Áustria restringe direitos de muçulmanos

A proposta serve para evitar a influência de outros países na vida da população muçulmana que vive no país

Áustria restringe direitos de muçulmanos com medo de ataques terroristasÁustria restringe direitos de muçulmanos

Para evitar a influência de grupos extremistas, a Áustria resolveu restringir alguns direitos antes dados os muçulmanos no país. A nova medida desagradou os religiosos, principalmente os imãs que serão os mais afetados por ela.

A lei de 1912 que igualava o Islã aos direitos dos cristãos e judeus agora tem algumas ressalvas: as mesquitas não podem receber dinheiro do exterior, o imã que recebe dinheiro de fora não poderá pregar no país e o ensino da fé muçulmana só poderá acontecer em alemão e não mais em outras línguas.

A decisão partiu do governo austríaco que é comandado pela coalizão formada pelo Partido Social Democrata da Áustria (SPÖ) e o Partido Popular Austríaco (ÖVP). A ideia é que o islã na Áustria tenha ligação com a população local sem receber influência de fora.

“Nós queremos um Islã com um caráter austríaco”, disse o ministro da Integração, Sebastian Kurz, em outubro do ano passado durante uma declaração feita na TV pública ORF.

“Tivemos que ser um pouco mais restritos sobre o financiamento de outros países no caso do Islã”, disse Kurz, afirmando que as outras religiões não trazem preocupação em relação a influência de outras nações.

A maior preocupação com o país é a forma como outros países influenciam o Islã, um exemplo é o financiamento dos imãs feito pela Turquia. Esses religiosos falam apenas em turco e não aprendem a língua oficial da Áustria que é o alemão.

“Existe muita influência política. Nós queremos ver imãs treinados aqui, pregando em alemão, entendendo a nossa cultura”, explicou a porta-voz do Partido Social Democrata, Alexandra Hopf.

Já a porta-voz da Confissão Religiosa Islâmica na Áustria (IGGIÖ), Carla Amina Baghajati, vê que a relação entre o país europeu e os muçulmanos que ali vivem será abalada. “A velha lei era significativa para os muçulmanos. Ela nos dava laços emocionais profundos com a Áustria. Depois que essa nova lei for aprovada, eu não estou certa de que os muçulmanos vão continuar sentindo esse mesmo vínculo emocional”, diz.

Em sua opinião o governo austríaco não tem o que se preocupar. “É como se eles acreditassem que a sharia vai tomar conta da Áustria. Nós dissemos várias vezes que somos pelo pluralismo, pelo domínio da lei e pela igualdade.”

Islã cresce na Áustria e há relatos de pessoas que fugiram para lutar com o EI

Em 2013, 7% dos austríacos se afirmaram como muçulmanos, o que representa cerca de 574 mil pessoas. Em Viena a estimativa é que 12,5% sejam fiéis do Islã. Mas ao contrário de outros países da Europa, a maioria desses religiosos não é formada por árabes, mas sim de origem bósnia. Outras etnias comuns no país são os persas, os chechenos e, então, os árabes.

O governo está preocupado, principalmente depois que 190 pessoas, exilados chechenos em sua maioria, deixaram o país para lutar ao lado dos extremistas do Estado Islâmico. No ano passado duas adolescentes fugiram do país para se casar com jihadistas na Síria e no começo deste ano vários menores de idade foram detidos, suspeitos de se envolverem com o terrorismo. Com informações DW

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s