Sheherazade abraça campanha em defesa de ex-gays

“Eu existo”: Sheherazade abraça campanha em defesa de ex-gays vítimas de preconceito; Assista

A jornalista Rachel Sheherazade publicou um editorial em que chama atenção para a situação de pessoas que por diversas razões, deixaram a homossexualidade e se tornaram alvo de preconceito e perseguição por parte de ativistas gays.

Em sua coluna no site da rádio Jovem Pan, Sheherazade lembrou da iniciativa do pastor Marco Feliciano (PSC-SP), que convocou uma audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados para tratar do assunto.

“Quero falar de um tipo de preconceito silencioso e pouco difundido que sofrem os chamados ex-gays – homossexuais que, por razões diversas (religiosas, sociais ou de foro íntimo), decidiram deixar a prática ou a condição de homossexuais. […] Os ex-homossexuais enfrentam duplo preconceito da sociedade: tanto dos héteros, quanto dos certos grupos LGBT, que os tratam como dissimulados, fingidos ou doentes mentais”, pontuou Sheherazade.

De acordo com a jornalista, “nove ex-gays foram convidados a participar da audiência [pública convocada por Feliciano] e contar, aos parlamentares, seus dilemas, seus sofrimentos, e o preconceito de que são vítimas”, acrescentando que “a intenção é cobrar proteção do Estado a essas pessoas, por se tratarem da minoria de uma minoria”.

Sheherazade lembrou ainda da atuação da psicóloga Marisa Lobo, que há anos enfrenta uma batalha pelo direito dos homossexuais que desejam abandonar a prática e/ou condição e buscam auxílio de psicólogos para contornar seus dilemas, mas são impedidos porque uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) impede os profissionais da área de tratarem do tema durante as sessões de terapia.

“Apesar da forte discriminação, os novos héteros não têm medo de mostrar o rosto, nem de relatar suas sofridas histórias de vida. Vídeos de ex-gays estão se proliferando nas redes sociais, com um alerta em comum: ‘Eu existo’. A psicóloga Marisa Lobo é uma das que apoiam e reconhecem a condição dos ex-gays. Ela está redigindo um relatório para ser entregue à ONU, onde descreve cerca de cem casos de gays e lésbicas que mudaram sua opção sexual”, afirmou a jornalista.

Em sua conclusão, Rachel Sheherazade destaca que é importante dar voz aos oprimidos por aqueles que se apresentam como vítimas: “Se gays não têm cura, pois a homossexualidade não é, definitivamente, uma doença, eles têm ao menos o direito de tentar mudar de opção, se assim o quiserem. A isso, damos o nome de livre-arbítrio”, destacou. Assista:

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s