Dinheiro desviado de ministério teria pago motorista de Gleisi Hoffmann

Por causa do foro da senadora, juiz suspendeu as investigações da 18ª fase da Lava-Jato e encaminhou o processo ao STF

Escritório atuou em campanha de Gleisi Hoffmann – André Coelho / OGlobo

SÃO PAULO — Documentos apreendidos pela Polícia Federal (PF) no escritório do advogado da senadora Gleisi Hofmann (PT-PR) indicam que dinheiro desviado do Ministério do Planejamento pagou o motorista da petista. Por conta do foro privilegiado, o juiz federal Sérgio Moro suspendeu as investigações da 18ª fase da Operação Lava-Jato, batizada de “Pixuleco II”, e encaminhou o processo ao Supremo Tribunal Federal (STF).


A “Pixuleco II” revelou um esquema de pagamento de propina dentro do Ministério do Planejamento, que já foi comandado pelo marido da senadora, Paulo Bernardo (PT). Segundo os investigadores, mais de R$ 40 milhões foram desviados de um contrato para fornecimento de crédito consignado a servidores federais. O esquema teria sido operado por pessoas ligadas ao PT, entre elas o ex-vereador petista Alexandre Romano, preso durante a operação. O contrato foi assinado pela empresa Consist durante a gestão de Paulo Bernardo, em 2010.

E-mail que mostra o pagamento da Consist feito para Gleisi Hoffmann – Reprodução/MPF

Para Moro, há indícios de que “parte expressiva da remuneração da Consist foi repassada, por solicitação de Alexandre Romano, ao advogado Guilherme Gonçalves, em Curitiba, que, por sua vez, utilizou esses mesmos recursos para pagamentos associados à senadora Gleisi Hoffmann“.

De acordo com a PF, parte dos recursos desviados eram pagos ao escritório de advocacia de Guilherme Gonçalves, que prestou serviço para a campanha de Gleisi nas últimas eleições. Documentos apreendidos pela PF “indicam que os valores recebidos da Consist teriam sido em parte utilizados para efetuar pagamentos em favor da Senadora Gleisi Hoffmann”. 

Uma das planilhas apreendidas no escritório comprovaria a operação. O documento, de fevereiro de 2015, revela que o “Fundo Consist” — denominação usada para identificar o pagamento de valores ilícitos — apresentava um crédito de R$ 50.078,00, em favor da senadora e de pessoas. Em um dos lançamentos de débito consta a anotação “salário motorista — cheque 828”, enquanto no outro, “Diversos PT, PB, Gleisi”. 

Segundo a PF, o motorista da petista, Hernany Mascarenhas, foi pago com dinheiro desviado do Ministério do Planejamento. Em outro documento apreendido, consta a anotação do pagamento de R$ 50 mil em honorários pela Consist ao escritório do advogado em 29 de setembro de 2011. O pagamento teria sido acertado com o ex-ministro Paulo Bernardo, “que ficaria com todo o montante”, segundo a PF.

Ao justificar o encaminhamento do processo ao Supremo, Moro justificou dizendo que “os fatos foram descobertos em desdobramento natural das investigações” e que para as investigações continuarem na Justiça do Paraná é necessário a autorização da Corte.

Fonte: O Globo

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s