Pastor, não deixe de visitar os doentes!

Pastores não percam de vista os doentes, os que sofrem e os aflitos de sua congregação por causa das áreas mais glamorosas do ministério pastoral.

Charles Spurgeon é celebrado como um dos pregadores e pastores mais talentosos, dedicados, brilhantes e impactantes da história. Essa honrosa distinção lhe é dada em grande parte devido aos seus sermões bem articulados, penetrantes, cristocêntricos e fundamentados na Palavra que foram ouvidos e são lidos por milhares de pessoas em todo o mundo. Devido à popularidade que Spurgeon alcançou em seu ministério, sua fidelidade como um jovem pastor é frequentemente ignorada.

Em 1854, sendo um jovem de vinte anos de idade, Spurgeon se mudou para pastorear uma igreja em Londres (New Park Street Chapel), que mais tarde se tornou o Tabernáculo Metropolitano. Spurgeon estava em Londres a pouco mais de doze meses quando uma severa epidemia de cólera arrasou Londres. Spurgeon narra seu esforço para visitar e cuidar do grande número de doentes em meio àquelas condições horríveis:

“O dia todo, e algumas vezes a noite toda, eu fui de casa em casa e vi homens e mulheres morrendo, e quão felizes ficavam ao ver meu rosto! Enquanto muitos temiam entrar em suas casas pelo risco de contrair a doença mortal, nós, que não tememos tal coisa, ficamos felizes por sermos ouvidos quando falávamos de Cristo e de assuntos divinos.”

Que exemplo extraordinário de um jovem e inexperiente pastor que temia mais a Deus do que uma doença contagiosa. Que modelo para cada um de nós de cuidado sacrificial que Spurgeon ofereceu sob grande risco, porque ele sabia do fruto espiritual que poderia brotar somente ao lado do leito de um homem à beira da morte. Seu dom para pregar era evidente a todos que o ouviam, o que demandava muito do seu tempo. Contudo, Spurgeon colocava todas essas oportunidades de lado, como ele explica:

“Durante aquela epidemia de cólera, embora tivesse muitos compromissos no interior, eu abri mão deles para que pudesse permanecer em Londres para visitar os doentes e os que estavam morrendo.”

As demandas na vida de Charles Spurgeon, mesmo aos vinte anos, eram grandes, possivelmente maiores que as demandas que a maioria de nós, que vivemos nas culturas mais atarefadas da história, enfrentamos. Nós podemos ver certamente por meio do exemplo de Spurgeon o impacto significativo que visitar os doentes tem. Contudo, o sacrifício que Spurgeon fez de tornar essa tarefa divina uma prioridade é, possivelmente, o ponto mais aplicável deste relato.

Pastores não percam de vista os doentes, os que sofrem e os aflitos de sua congregação por causa das áreas mais glamorosas do ministério pastoral. Na verdade, eu acredito que é fidelidade de nossos esforços nas trincheiras que Deus usa para tornar nosso ministério público mais útil e poderoso. Especialmente se estivermos dispostos a assumir os riscos.

Por: Brian Croft. © 2016 Practical Shepherding, Inc. Original: What do I love about C.H. Spurgeon’s ministry that is largely overlooked?.

Tradução: Fabio Luciano. Revisão: Vinicius Musselman. © 2016 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: Um dos aspectos mais ignorados do ministério de C.H. Spurgeon.

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s