Dani Dayan será cônsul geral de Israel em Nova York, não Embaixador no Brasil

O Brasil perde o privilégio de ter Dani Dayan como embaixador de Israel, e Nova York ganha um grande contato.

O Brasil perde o privilégio de ter Dani Dayan como embaixador de Israel, e Nova York ganha um grande contato.

Ex-chefe do Conselho Yesha (entidade que congrega os habitantes judeus da Judeia e Samaria) , Dani Dayan está sendo promovido depois de meses de resistência por parte do governo brasileiro, que rejeitou sua nomeação como novo embaixador de Israel.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou que nomeou Dayan, de 59 anos, como novo cônsul geral de Israel em Nova York – uma indicação que Dayan preferiu à primeira escolha.

O conhecimento de espanhol de Dayan será extremamente útil em sua nova posição. Nova York é o lar de uma enorme população de língua espanhola. Nascido na Argentina, ele é um empresário com MBA em finanças. Dayan substituirá Ido Aharoni, diplomata de carreira.

Dayan foi chamado de “ministro do Exterior” dos colonos por sua capacidade de apresentar os pontos de vista dos moradores judeus da Judeia e Samaria para quem não tem conhecimento da área. Ele vive em Ma’ale Shomron, uma comunidade a pouco mais de 30 quilômetros de Tel Aviv.

“Aqueles que não me querem em Brasília, vão me encontrar na capital do mundo, e para mim isso é uma vitória”, disse Dayan numa conferência anti-BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções).

Em agosto passado, a presidente Dilma Rousseff tinha passado uma mensagem a Israel de que estava desconfortável com a nomeação de Dayan devido a seus laços com as comunidades judaicas na Judeia e Samaria. Ela estava sendo pressionada pelo movimento BDS via ONGs e ativistas da esquerda no Brasil e em Israel, que assinaram uma petição pedindo-lhe que recusasse a nomeação. A petição – e protestos de várias figuras proeminentes – alegava que a nomeação de Dayan como embaixador era uma violação da legitimidade internacional e um desafio à soberania do Brasil.

Israel tem trabalhado duro para melhorar e manter boas relações com o Brasil. Como o país é o maior da América do Sul, era importante encontrar uma solução diplomática para o dilema, sem ceder à pressão do BDS, preservando o status de Dayan.

“Eu acredito que posso revolucionar as relações públicas israelenses nos EUA, cujo coração pulsa em Nova York”, disse Dayan. (Hana Levi Julian, extraído dewww.jewishpress.com)

Apesar do governo brasileiro considerar que a Judéia e Samaria são “territórios ocupados” que pertencem aos palestinos, trata-se de terras bíblicas dadas por Deus ao povo judeu:

Mudarei a sorte do meu povo de Israel; reedificarão as cidades assoladas e nelas habitarão, plantarão vinhas e beberão o seu vinho, farão pomares e lhes comerão o fruto. Plantá-los-ei na sua terra, e, dessa terra que lhes dei, já não serão arrancados, diz o SENHOR, teu Deus” (Amós 9.14-15).

Dize-lhes, pois: Assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu tomarei os filhos de Israel de entre as nações
para onde eles foram, e
os congregarei de todas as partes, e os levarei para a sua própria terra. Farei deles uma só nação na terra, nos montes de Israel, e um só rei será rei de todos eles. Nunca mais serão duas nações; nunca mais para o futuro se dividirão em dois reinos(Ezequiel 37:21-22).

Há anos o governo brasileiro tem apresentado uma posição de hostilidade diplomática em relação a Israel. Alegando dificuldades porque Dayan está ligado à presença judaica na Judeia e Samaria, o governo do Brasil se coloca ao lado dos que rejeitam as claras promessas do Eterno para Seu povo e , assim, incorre no juízo de Deus – do que, certamente, a atual crise no país é uma amostra:

Ai do bramido dos grandes povos que bramam como bramam os mares, e do rugido das nações que rugem como rugem as impetuosas águas. Rugirão as nações, como rugem as muitas águas, mas Deus as repreenderá e elas fugirão para longe; e serão afugentadas como a pragana dos montes diante do vento, e como o que rola levado pelo tufão” (Isaías 17.12-13).

Curta e compartilhe o Manifesto de Apoio e Solidariedade com Israel

Saberão que eu sou o SENHOR, seu Deus, quando virem que eu os fiz ir para o cativeiro entre as nações, e os tornei a ajuntar para voltarem à sua terra, e que lá não deixarei a nenhum deles” (Ezequiel 39.28).

As opiniões expressas nos artigos assinados são de responsabilidade dos seus autores.

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s