A Melhor Professora

Essa é sem dúvida uma das histórias mais bonitas que já lí.

Há uma história de muitos anos atrás de uma professora de escola primária. Seu nome era Sra. Thompson, quando ela ensinava para a 5ª série no primeiro dia de aula, ela olhou para os alunos e como a maioria dos professores disse que os amava igualmente.

Mas isso era impossível porque ali na primeira fila, caído e desajeitado em seu assento, havia um menino chamado Teddy Stoddard.

A Sra. Thompson tinha visto Teddy no ano anterior e notado que ele não se dava bem com as outras crianças, que suas roupas estavam sempre sujas e que ele constantemente precisava de um banho. E no final das contas Teddy poderia ser desagradável.

Chegou ao ponto em que a Sra. Thompson realmente se deliciava em marcar suas provas com uma grande caneta vermelha, fazendo Xs corajosos e depois colocando um grande “F” no topo de suas provas.

Nessa escola por uma norma interna ela foi obrigada a revisar os registros dos anos anteriores de cada criança e ela colocou Teddy por último, provavelmente se tratava de um péssimo aluno.

Para sua surpresa, quando ela revisou seu arquivo, se deparou com as anotações do primeiro professor de Teddy, quando estava na 1ª série, ele escreveu: “Teddy é uma criança brilhante com um riso único. Ele faz seu trabalho de forma ordenada e tem boas maneiras … ele é uma alegria para nós.”

Seu professor da segunda série escreveu: “Teddy é um excelente aluno, muito apreciado por seus colegas, mas está preocupado porque sua mãe tem uma doença terminal e a vida em casa deve ser uma luta”.

Seu professor da terceira série escreveu: “A morte de sua mãe foi dura para ele, ele tenta fazer o seu melhor, mas seu pai não mostra muito interesse e sua vida doméstica vai afetá-lo em breve se alguns passos não forem tomados”.

O professor da quarta série de Teddy escreveu: “Teddy está cada vez mais fechado e não mostra muito interesse na escola, não tem muitos amigos e às vezes dorme na aula”.

Foi então que a Sra. Thompson percebeu o real problema e ela estava envergonhada de si mesma. Sentiu-se ainda pior quando seus alunos trouxeram os presentes de Natal, embrulhados em grandes papéis lindos e amarrados com fitas bonitas, exceto por Teddy. Seu presente que foi desajeitadamente embrulhado em papel marrom que obteve de um saco de supermercado.

A Sra. Thompson abriu-o no meio dos outros presentes. Algumas das crianças começaram a rir quando ela encontrou uma pulseira de strass com algumas das pedras em falta, e uma garrafa que estava um quarto cheio de perfume. Mas ela sufocou o riso das crianças quando exclamou o quão linda era a pulseira, colocando-a e enxugando um pouco do perfume em seu pulso.

Teddy Stoddard ficou depois da escola naquele dia o tempo suficiente para dizer: “Sra. Thompson, hoje você está com o cheiro exatamente igual o da minha mãe.”

Depois que as crianças saíram ela chorou por pelo menos uma hora, imaginando o quão difícil foi a luta daquele pequeno garoto.

A Sra. Thompson prestou especial atenção a Teddy. Enquanto ensinava próximo a ele, sua mente parecia ganhar vida. Quanto mais ela o encorajava, mais rápido ele respondia. No final do ano, Teddy se tornara uma das crianças mais inteligentes da classe e sem dúvida Teddy se tornou um dos “mais queridos da professora”.

Um ano depois, ela encontrou uma carta debaixo da porta dela, de Teddy, dizendo a ela que era a melhor professora que ele já teve em toda sua vida.

Seis anos se passaram e ela recebeu outra carta de Teddy. Ele então escreveu que tinha terminado o ensino médio, o terceiro em sua classe, e ela ainda era a melhor professora que já teve em toda sua vida.

Depois de alguns anos veio outra carta. Desta vez ele explicou que conseguiu terminar a faculdade e depois que ele obteve seu diploma de bacharel, decidiu ir um pouco mais longe. A carta explicava que ela ainda era a melhor e mais favorita professora que ele já teve. Mas agora depois do mestrado seu nome era um pouco mais longo – sua assinatura, Theodore F. Stoddard, MD.

Teddy disse ainda que conhecera uma garota e ia se casar. Ele explicou que seu pai havia morrido há alguns anos atrás e ele estava se perguntando se a Sra. Thompson concordaria em sentar no lugar no casamento que normalmente era reservado para a mãe do noivo. Claro que a Sra. Thompson o fez.

E adivinha? Ela usava aquele bracelete, aquele com vários strass faltando. E ela se certificou de que ela estava usando o perfume que Teddy lembrava de sua mãe usado em seu último Natal juntos. Eles se abraçaram, e o Dr. Stoddard sussurrou na orelha da Sra. Thompson: “Obrigado Sra. Thompson por acreditar em mim. Muito obrigado por me fazer sentir importante e me mostrar que eu poderia fazer a diferença.”

A Sra. Thompson, com lágrimas nos olhos, sussurrou de volta. Ela disse: “Teddy, você entendeu tudo errado. Você foi quem me ensinou que eu poderia fazer a diferença. Eu não sabia ensinar até que eu conheci você.”

Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. 1 João 4:8

Aquele que ama a seu irmão está na luz, e nele não há escândalo. 1 João 2:10

No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor. 1 João 4:18

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s