Abel ainda Fala sem ter pronunciado uma única Palavra

Embora ele tenha sido assassinado na mão de um irmão invejoso, e não haja uma palavra gravada de seus lábios na narrativa do Antigo Testamento, no entanto, durante mais de seis milênios, Abel “falou” e continua falando ainda hoje.

As seguintes palavras estão registradas no livro de Hebreus.

Pela fé Abel ofereceu a Deus um sacrifício superior ao de Caim. Pela fé ele foi reconhecido como justo, quando Deus aprovou as suas ofertas. Embora esteja morto, por meio da fé ainda fala. Hebreus 11:4

O verbo traduzido “fala” [versões mais antigas] é uma forma de voz presente, ativa. Isso sugere que, em algum sentido, a influência de Abel e as lições associadas a ele estão reverberando ao longo dos séculos da história bíblica – mesmo até nossos dias.

Para obter uma imagem mais completa, será útil combinar as informações do Antigo Testamento sobre o segundo filho de Eva, com a citação apresentada acima.

Adão teve relações com Eva, sua mulher, e ela engravidou e deu à luz Caim. Disse ela: “Com o auxílio do Senhor tive um filho homem”.

Voltou a dar à luz, desta vez a Abel, irmão dele. Abel tornou-se pastor de ovelhas, e Caim, agricultor.

Passado algum tempo, Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Abel, por sua vez, trouxe as partes gordas das primeiras crias do seu rebanho. O Senhor aceitou com agrado Abel e sua oferta, mas não aceitou Caim e sua oferta. Por isso Caim se enfureceu e o seu rosto se transtornou.

O Senhor disse a Caim: “Por que você está furioso? Por que se transtornou o seu rosto?

Se você fizer o bem, não será aceito? Mas se não o fizer, saiba que o pecado o ameaça à porta; ele deseja conquistá-lo, mas você deve dominá-lo”.

Disse, porém, Caim a seu irmão Abel: “Vamos para o campo”. Quando estavam lá, Caim atacou seu irmão Abel e o matou.

Gênesis 4:1-8

Lições da vida de Abel

Com esses textos complementares à nossa frente, que lições aprendem os estudiosos cuidadosos da Bíblia a partir dos breves dados biográficos sobre Abel? O que é fé?

O caso de Abel define a natureza da “fé” válida.

Pela fé Abel ofereceu a Deus um sacrifício superior ao de Caim. Hebreus 11:4

O verbo “oferecer” reflete um ato de obediência (ver Hebreus 11:8). O rapaz não acreditava simplesmente que um sacrifício seria aceitável. Ele acessou a benção divina por meio da obediência a um método prescrito.

É comum acreditar na comunidade religiosa que “a fé é apenas uma vontade de aceitar fatos sobre o Senhor, combinada com uma disposição para confiar nele.” Nada poderia estar mais longe da verdade.

A fé não é validada como fé até que responda ao fazer o que Deus exige. É por isso que Tiago pode desafiar:

Mas alguém dirá: “Você tem fé; eu tenho obras”. Mostre-me a sua fé sem obras[obediência], e eu lhe mostrarei a minha fé pelas obras. Tiago 2:18

Os verbos de ação, ligados à expressão “pela fé”, em Hebreus, capítulo 11, são um testemunho vivo da natureza da fé genuína.

Ao longo do capítulo décimo primeiro de Hebreus, como os nobres personagens do Antigo Testamento entram em cena, fica claro que a frase “por fé” equivale a dizer que o crente cedeu à instrução divina.

No dicionário Vine observamos que o sacrifício de “por fé” de Abel baseava-se numa revelação que Deus havia feito (Vine,129). Compare o princípio estabelecido em Romanos 10:17.

Deus está observando

O caso de Abel revela que Deus está observando as vidas daqueles que ele criou. Isso é verdade para toda a nossa esfera de atividade em geral, e de nossa adoração em particular. Não somos livres para viver como quisermos, e não contabilizamos ninguém além de nós mesmos.

Os olhos do Senhor estão em toda parte, observando atentamente os maus e os bons. Provérbios 15:3 cf. Hebreus 4:13

Verdadeiro culto

A consideração das narrativas bíblicas demonstra claramente que a adoração envolve mais do que sinceridade por si só. Isso também traz substância.

Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade. João 4:24

Não há nenhuma palavra de censura no texto sagrado que indica uma atitude inicialmente insincera em Caim.

Quando ele trouxe o “fruto da terra”, não há uma razão textual que sugira que ele era menos do que sincero em sua tentativa de adorar a Deus como ele achasse conveniente.

Em vez disso, seu erro, obviamente, era que ele acreditava no princípio da “substituição”, ou seja, não importava o que ele trouxe, desde que ele trouxesse algo.

Ele sentiu que ele poderia criar um plano, bem como qualquer um. Ele era o protótipo de Jeroboão, filho de Nebate, que criou seu próprio sistema religioso e, ao fazê-lo, “fez Israel pecar” (1 Reis 12:25ss; 14:16).

Assim, enquanto Abel ofereceu seus dons “pela fé”, Caim trouxe o seu pela “visão” (emoção, julgamento pessoal, etc.). Há uma grande diferença entre as duas abordagens.

A afirmação de alguns teólogos, é que o problema de Caim estava enraizado no fato de que ele não tinha um coração puro, mas que sua oferta era tão válida quanto a de Abel é uma suposição sem provas suficientes. (ver: Sailhamer, 61).

A raiva posterior de Caim não prova que sua oferta era falsa inicialmente. Além disso, o escritor de Hebreus diz especificamente que o “sacrifício” de Abel que era “mais excelente” do que o de seu irmão – e não a sua “disposição”.

Além disso, o fato de que João declarou que as “obras” de Caim eram malignas (1 João. 3:12).

Obediência condena a desobediência

Outra lição significativa ilustrada em relação a Abel é que a obediência genuína, por meio de contraste, condena a desobediência. Com frequência, a obediência desencadeia uma animosidade reacionária, se não uma perseguição definitiva.

O escritor de Hebreus, em conexão com a preparação da arca de Noé “pela fé”, afirmou que por sua obediência, Noé “condenou o mundo” (Hebreus 11:7). A obediência do patriarca, por seu forte contraste, condenou a desobediência de seus contemporâneos.

Da mesma forma, Caim, por algum meio, aprendeu que o Senhor aceitou as ofertas de seu irmão, mas rejeitou o dele.
(Gênesis 4: 5-6).

Ele estava então advertido de que sua raiva estava à beira de escalar até mesmo um nível mais profundo de pecado.

Quando sua raiva “concebida”, “produziu” o assassinato (ver Tiago 1:15). Um apóstolo inspirado comenta sobre este assunto da seguinte forma:

Esta é a mensagem que vocês ouviram desde o princípio: que nos amemos uns aos outros. Não sejamos como Caim, que pertencia ao Maligno e matou seu irmão. E por que o matou? Porque suas obras eram más e as de seu irmão eram justas. 1 João 3:11,12

A Influência Permanece: para o bem ou mau

Aprendemos com o caso de Abel que a influência de alguém ultrapassa os parênteses de sua breve permanência sobre a terra. Pense no mal que se seguiu após Darwin, Nietzsche, Lênin e Stalin.

Recordamos a influência de Adão cada vez que depositamos o corpo de um ente querido sob o solo de nosso planeta (ver Romanos 5:12).

Refletimos sobre a influência de Jesus de Nazaré, e seus discípulos – homens como Paulo.

Albert Barnes argumentou, com alguma força, que a influência das pessoas boas sobrevivem muito mais do que a dos mals (Barnes, 257). Houve um momento precioso durante o ministério de Jesus que ilustra maravilhosamente esse princípio.

Pouco antes de sua crucificação, Cristo estava em Betânia, a cidade onde Lázaro, Maria e Marta viveram. Durante uma ocasião especial, Maria veio e ungiu tanto a cabeça e os pés do Senhor com uma preciosa loção.

Judas (e provavelmente sob sua influência os discípulos também) queixou-se sobre o assunto, acusando a dócil senhora com “desperdício”. Mas Cristo elogiou o ato, sugerindo que simbolizava seu próximo sepultamento (Mateus 26:6-13; Marcos 14:3-9, João 11:55-12:11).

Então o Salvador disse a respeito de Maria:

Eu lhes asseguro que onde quer que este evangelho for anunciado, em todo o mundo, também o que ela fez será contado, em sua memória”. Mateus 26:13

Um ato aparentemente insignificante foi consagrado no “Salão da Fama dos Memoráveis”.

O que será dito em relação ao nosso legado – por nossas ações, ensino e a influência através de nossos filhos, netos, etc. – em épocas ainda por vir?

Há algo depois da morte

Finalmente, o fato de que a obediência de Abel é aplaudida mesmo séculos depois de sua voz ser apenas um eco do solo manchado de sangue (Gênesis. 4:10) constitui evidência sutil de que, após a morte, ele não desapareceu no esquecimento de um nada eterno, como materialistas poderiam acreditar.

Todas as nuances detalhadas dos dados bíblicos defendem a responsabilidade final e a administração da justiça divina.

Abel ainda está falando. Estamos ouvindo?

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s